A agricultura biodinâmica vem no contrafluxo do mercado, pois espera-se produzir melhor, porém em menor escala.

Ela está bem longe das vinículas que preferem produzir muito, porém gastando pouco, simplesmente visando o lucro.

O número de produtores que abandonaram o uso de pesticidas e herbicidas no cultivo dos vinhedos é crescente, a grande maioria destes migrando para a cultura orgânica e outros ainda para os vinhos biodinâmicos.

Parece um passo atrás naquilo que é chamado de desenvolvimento, mas a mensagem e o resultado mostra que este é o lado positivo disso tudo.

Foto: alasdair-elmes / Unsplash

O plantar pelo prazer e de se produzir com qualidade, explica, por exemplo, o uso de rosas plantadas entre as vinhas, já que essas contribuem para controlar a proliferação de pragas.

Além disso, as vinhas não são “alimentadas” como em outros vinhedos normais, assim, suas raízes são forçadas a buscar seus nutrientes somente na terra, onde aprofundam-se mais e mais no solo em busca destes, trazendo-os da terra mais profunda até suas uvas. Assim, o resultado seria vinhos muito mais complexos e saborosos.

Foto: dan-meyers / Unsplash

E não pense que seguir o ritmo da natureza se resume apenas ao nosso planeta e ao que é natural para nós: o engarrafamento do vinho é feito de acordo com o ciclo lunar. E claro, assim como no caso dos orgânicos, pesticidas e outros produtos químicos são totalmente proibidos.

“Não filtrado, não clarificado, não amadurecido em madeira. Cada garrafa pode ser diferente. Ingredientes&Aditivos: uva… Desculpe mas não acompanhamos o mercado, produzimos vinhos que nos agradam, vinhos da nossa cultura. Eles são o que são e não o que querem que eles sejam.”

contrarrótulo dos vinhos da Dettori, premiada vinícola da Sardenha.
Foto: amos-bar / Unsplash

A biodinâmica

A biodinâmica é um conceito baseado na antroposofia, filosofia que engloba ensinamentos do austríaco Rudolf Steiner (1861-1925). A influência de Steiner na agricultura começou efetivamente a partir de uma palestra que ele foi convidado a fazer, em 1924, na Alemanha, para algumas dezenas de pequenos produtores rurais, que estavam incomodados com a situação e a qualidade de suas terras, resultado da guerra e da revolução industrial.

O objetivo da aplicação dos conceitos biodinâmicos na atividade agrícola, teria por fim, de acordo com Steiner, valorizar o solo, a planta em seu habitat puro e natural, alimentando as vinhas de forma correta e respeitando a biodiversidade ao redor da vinícola. Os vinhos biodinâmicos seriam então, neste sentido, diferentes dos orgânicos, já que todo o processo envolvido na produção do vinho se completaria naturalmente seguindo as leis e o movimento da natureza.

Foto: tina-witherspoon / Unsplash

Os vinhos biodinâmicos são melhores?

É praticamente impossível comprovarmos cientificamente os benefícios da teoria biodinâmica, por isso ela muitas vezes é alvo de questionamentos.

De qualquer forma, seguindo o conceito é quase certo que as uvas provenientes de um cultivo biodinâmico sejam muito mais saudáveis, ricas em nutrientes e atinjam um grau de pureza e uma expressão do terroir superiores.

Créditos:
• “Natural Resistance”, o manifesto ‘natureba’ – matéria escrita por Jorge Lucki no jornal Valor Econômico de 06/08/2015.
• “Escola biodinâmica completa 90 anos” – matéria escrita por Jorge Lucki no jornal Valor Econômico de 27/11/2014.
• tintosetantos.com – “Vinho orgânico e biodinâmico”
• ArtdesCaves – “Entenda a diferença entre vinho orgânico, biodinâmico e natural”
• Imagem principal: sven-wilhelm – Unsplash